Coluna Silas Feitosa: Euclides José Teixeira Neto – O progressista que Ipiaú teve a honra de conhecer.

Euclides Neto

Silas Feitosa

Foi o meu maior jubilo receber a incumbência de escrever essa coluna sobre a história da minha querida Ipiaú, para o site panorama. Quando a idealizei, tive por ventura a intenção de seguir uma ordem cronológica dos fatos, assim como na coluna da semana passada eu havia falo sobre o primeiro nome da cidade, (Relembre), pela ordem deveria falar de algum acontecimento histórico posterior. Mas acredito eu, que um bom escritor é aquele que sabe a hora de mudar seus planos e retratar aquilo que goza de importância para tal.  Ontem, segunda-feira dia 03/11/2014, foi realizado no Palácio da Reitoria da UFBA, em Salvador, um evento que marca o lançamento da obra completa do grande Euclides José Teixeira Neto, no total são 13 livros que foram lançados do escritor. Suas obras são um rico acervo literário que tem um valor histórico e cultural inestimável, entre elas, contos, romances, relatos, crônicas, que abrangem a região cacaueira da Bahia.  Apenas a biografia desse magnifico escritor, politico, advogado me renderiam muitas colunas semanais, assim como sua história politica, principalmente na cidade de Ipiaú. Euclides Neto fora prefeito da cidade de Ipiaú de abril de 1963 a abril de 1967, considerado o maior progressista que Ipiaú tivera, foi homem de visão e preocupado com as classes menos favorecidas, inclusive foi em sua gestão que Ipiaú recebeu o renomado titulo de “Município Modelo da Bahia”. Tarefa árdua tive em selecionar apenas um único fato e trazê-lo para essa coluna, algo que retratasse o homem/politico honrado, que Ipiaú teve a chance de ter em sua administração. Continue lendo

 As obras desse homem para com a cidade de Ipiaú foram imensuráveis, o mesmo criou a Fazenda do Povo, o Ginásio Agrícola Municipal de Ipiaú (GAMI) e o bairro da Democracia.Ao folhear uma de suas obras primas, 64: UM PREFEITO, A REVOLUÇÃO E OS JUMENTOS –encontrei um trecho que acredito eu irá retratar com dignidade o homem que foi o senhor Euclides José Teixeira Neto, nesse pequeno pedaço, o mesmo estava retratando-se sobre as dificuldades financeiras que o município que havia acabado de assumir estava passando, e sobre o seu dilema, que deve existir até hoje para os prefeitos, se teria que haver coleta de lixo e limpeza das ruas e não tinha condições de fazê-lo todos os dias, como o faria então? Como solução o mesmo ordenou que a limpeza do centro da cidade fosse feita de dois em dois dias, considerando que nela, o lixo em si não era de grave consequência para a cidade, assim iria reversar com a limpeza de lugares mais pobres. O trecho que citarei abaixo foi retirado da pagina 38 do livro já supracitado:

“[…] nascendo daí o raciocínio de que o prefeito deveria gastar os recursos onde mais habitantes fossem beneficiados. Por exemplo: se o calçamento de 100 metros na rua A servisse a três famílias somente, deixaria esta e pavimentaria a rua C onde serviria com a mesma obra 30 famílias. Pouco importava que na primeira morasse o deputado, o coronel e na outra a raia miúda.”
Com esse pequeno fragmento percebemos a importância que o senhor Euclides dava para a população menos favorecida, quisera a população brasileira gozar de políticos como esse atualmente, com certeza sofreríamos muito menos com as mazelas da sociedade.

Leia também

WhatsAppLinkedInGoogle+Outlook.comGoogle GmailEmailPrint

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *