Futuro dos políticos baianos na Lava Jato ficará para 2016

001

Dos cinco políticos baianos envolvidos na Operação Lava Jato, apenas o ex-deputado federal Luiz Argolo (sem partido) teve o seu destino definido este ano.  Condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, Argolo cumprirá uma pena de 11 anos e 11 meses de prisão. A defesa do ex-parlamentar tem recorrido aos tribunais superiores para amenizar a punição. Na semana passada, chegou a pedir ao Supremo Tribunal Federal (STF) que o baiano seja submetido às chamadas medidas cautelares, como prisão domiciliar e monitoramento com uso de tornozeleira eletrônica.As cortes, porém, têm resistido aos pedidos dos advogados.  O futuro do conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios, Mário Negromonte, o do seu filho, o deputado federal Negromonte Júnior, o do vice-governador da Bahia, João Leão e do parlamentar federal Roberto Britto, no entanto, só deve ser definido no próximo ano. Filiados ao Partido Progressista, eles têm foro privilegiado e, portanto, respondem ao processo no STF ou no Superior Tribunal de Justiça (STJ), que entraram em recesso e só retornam as atividades em fevereiro. A situação mais complicada é do conselheiro do TCM, Mário Negromonte, que já foi ministro das Cidades. Na decisão que condenou o ex-deputado Argolo, o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelo processo da Lava Jato na primeira instância, afirmou que Argolo presenciou o doleiro Alberto Youssef entregando propina ao conselheiro, que seria distribuída a membros do PP. O magistrado destacou, também que em diversas delações premiadas o ex-ministro foi citado como envolvido no esquema de corrupção da Petrobras. O filho de Mário Negromonte, deputado Negromonte Jr., também se complicou nos últimos dias. No início deste mês, o ministro do STF, Teori Zavascki, autorizou a abertura de investigação contra ele em um dos inquéritos da Lava Jato. Zavascki acatou um pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. No pedido, o procurador afirma que Negromonte Jr. recebeu uma doação ilegal no valor de R$ 500 mil da empresa Jaraguá Equipamentos Industriais, envolvida no esquema da Petrobras.  Uma testemunha do processo, Aricarlos Rocha, em depoimento, chegou a dizer que Negromonte Jr. ameaçou a família de Argolo para evitar delação premiada do ex-deputado. “Ele [Mário Negromonte Jr.] me disse que se Luiz ficasse pianinho, quietinho, assim que ele saísse de Curitiba, ele logo, logo seria ajudado para ter um retorno breve à vida política. Mas, se não tivesse, já sabia qual era o destino do delator”, afirmou a testemunha.O deputado federal Roberto Britto foi incluído no mesmo inquérito de Negromonte Jr. Segundo as investigações, ele também teria recebido R$ 50 mil da Jaraguá para sua campanha. Neste momento, o vice-governador João Leão é quem tem a melhor situação. Desde que foi colocado na lista de Janot por supostamente receber repasses do esquema de corrupção, em março deste ano, não surgiu novas denúncias contra ele. Na ocasião, Leão disse que não entendia o motivo de estar na incluído na investigação e afirmou que estava “cagando e andando, em bom português, na cabeça desses cornos todos”, se referindo às pessoas que o citaram durante as apurações.
Publicada no dia 27 de dezembro de 2015, ás 10h28

Leia também

WhatsAppLinkedInGoogle+Outlook.comGoogle GmailEmailPrint

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *